[Sobre Filmes] A Barraca do Beijo



Título original: The Kissing Booth
Elenco: Joey King, Joel Courtney, Jacob Elordy
Direção: Vince Marcello
Ano: 2018
Duração: 1h 45 min
Gênero: Comédia Romântica


Sinopse:
O primeiro beijo de Elle vira um romance proibido com o cara mais gato da escola, mas acaba colocando em risco a relação com seu melhor amigo.


Olá people, tudo bem!? Como devem ter percebido, o blog anda meio devagar nas postagens por conta de nossas vidas acadêmicas, mas mesmo assim me senti compelida a expandir um pouco os horizontes do PLI e bater um papo com vocês sobre filmes (aeeee)! Que eu não sou uma crítica formada vocês já devem saber, então fica o aviso de que os posts sobre filmes são dicas baseadas nos meus gostos pessoais e acerca do que venho assistindo ultimamente, logo, não devo me prender muito em detalhes mais técnicos. Tá beleza? Então vamos ao que interessa.

A Barraca do Beijo (The Kissing Booth) é uma das mais recentes produções da nossa querida Netflix e é uma adaptação do livro homônimo escrito por Beth Reekles que por aqui será lançado em Junho pela Astral Cultural, que conta a história de Elle, 16 anos, que desde sempre teve Lee Flynn como melhor amigo. Juntos eles criaram regras que mantém sua amizade segura e uma delas é que Elle não pode se envolver com Noah, irmão mais velho de Lee e o bad boy bonitão da escola. Apesar de ter uma queda pelo cara, a menina nunca quebrou a regra...até que, numa atração criada pelos amigos para ajudar na arrecadação de fundos da escola, a tal barraca do beijo, Elle e Noah se beijam e percebem que há muito mais entre eles do que imaginavam.


Vamos começar com uma confissão: não tenho muita paciência para filmes, sou mais adepta das séries, mas ainda assim assisto bastante coisa (principalmente os favoritos no modo repeat) e resolvi assistir A Barraca do Beijo numa das minhas muitas noites insones, sem nenhuma expectativa além de mais um clichê adolescente e engraçadinho. E as minhas expectativas estavam corretas, pois o filme é uma grande junção de diversos dramas e clichês do gênero: descobertas sobre o amor, dramas que só os adolescentes sabem ter, paixão (meio que) proibida, grupo de patricinhas reinante da escola, time do colégio de algum esporte em específico e afins. O típico filme adolescente que não traz inovações mas que, contudo, diverte e agrada a quem gosta desse estilo de história. Um bom passatempo.

Particularmente, achei que mesmo com o enredo já bastante usado, a produção conseguiu se sair muito bem, trazendo por fim um título com uma trama bem construída em sua simplicidade e com personagens carismáticos, atrativos e mais reais do que os personagens desse estilo costumam ser. Além disso, ele possui um clima extremamente leve e divertido, com um humor bastante natural que foram bem equilibrados com os momentos mais dramáticos.


Não há grandes reflexões sobre a vida, o universo e tudo mais em A Barraca do Beijo (afinal nem é essa a proposta do filme), mas há um bom entretenimento que vai te proporcionar boas risadas e um casal para o qual torcer (ainda mais quando você descobre que o casal da ficção é também um casal na vida real e quase derrete de tanta fofura), se é isso o que você procura, te deixando por fim com aquela sensação agradável de alegria na alma por algo tão "bobo" quanto um romance adolescente que me deu até vontade de ler o livro que originou a produção.




Resenha: Heróis de Novigrath - Roberta Splinder

Editora Suma
292 páginas
2018

Heróis de Novigrath é mais do que um jogo de computador. É um esporte. Uma paixão mundial que atrai milhões de torcedores fanáticos para estádios, banca equipes famosas e leva seus jogadores do chão ao topo — e vice-versa. Pedro sabe bem como uma carreira pode desabar de uma hora para a outra. Heróis de Novigrath ainda é seu grande amor, mas seus dias de glória terminaram.
Ou é o que ele pensa, até receber a visita de Yeng Xiao — seu herói favorito do game. Quando o guerreiro se materializa em sua casa, Pedro acha que perdeu o juízo, mas a verdade é que HdN é mais real do que ele poderia imaginar. Ao redor do mundo, jogadores alimentam o game com sua paixão e, sem saber, com sua energia vital. Agora, os monstros da terra de Novigrath estão a um passo de invadir o nosso mundo, e os Defensores de Lumnia precisam de um time que possa restaurar a força do lado dos heróis.

Pedro já deixou que sua ambição o derrubasse uma vez, mas Xiao tem certeza de que ele é a pessoa certa para montar o novo time. Por todo o país, cinco jovens mal imaginam a missão que os aguarda. Heróis de Novigrath é muito mais do que um jogo — é o futuro de todos eles.

*Sinopse original

"Guardar os verdadeiros sentimentos para si nunca faz bem. Uma pessoa tem que ser livre para fazer suas escolhas, para cometer os próprios erros."

Já nem lembro mais qual foi a última vez em que li uma fantasia. ainda mais uma que me agradasse e surpreendesse tanto como Heróis de Novigrath fez depois de uma primeira impressão bem meia boca e errônea que me deixou pensando, por causa da capa e da sinopse, que o livro não era pra mim. Mas já que eu havia recebido esse lançamento do novo selo da Companhia das Letras, Suma, porque não o ler não é mesmo? Eu li e adorei esse nacional de uma autora de talento que parece ser muito promissora.


Resenha: Senhorita Aurora - Babi A. Sette

 
Editora Verus

342 páginas

2018


Nicole é uma bailarina brasileira que finalmente terá a chance de ser a estrela em um grande espetáculo. Ela será Aurora no espetáculo de A Bela Adormecida, acontecendo em Londres. Entretanto, nem tudo são flores e o famoso maestro Daniel Hunter foi convidado para reger, mas fora dos palcos, é uma pessoa rude e fechada, sendo grosso com todos, inclusive Nicole. Quanto mais se aproximam, mas Daniel se fecha, e um segredo pode mudar suas vidas para sempre.

“Eu, o piso, meu corpo e a dança.
Eu, o céu, os movimentos e a música.
Eu, o êxtase, a entrega e a melodia.
Eu, o suor, a liberdade e a alma.”

Resenha: Uma História Entre Nós - Isa G.

Editora Benvirá
120 páginas
2017

Duas pessoas se encontram por acaso. Ela, intensa, sentimental, profunda. Ele, racional, calado, temeroso. E então tem início uma história. Mas o passado muitas vezes assombra o presente, e nem sempre as coisas acontecem como queremos... Em “Uma história entre nós”, Isa G., do perfil @amargoemeio, do Instagram, constrói uma delicada e autêntica narrativa, usando o mesmo estilo de frases que a consagrou nas redes sociais. ´A Isa é doce, porém não enjoativa. Escreve com candura, mesmo que no fundo tenha suas doses, necessárias, de amargor. Neste livro ela traz histórias de amizade, amor e saudade que, entre frases, se entrelaçam e nos brindam com um sorriso; pois ela sempre sorri fácil e, como consequência, faz a gente sorrir também.´ - Fred Elboni, autor do best-seller Um sorriso ou dois

Bem, a verdade é que eu nunca fui muito de ler livros de poemas. Nem sequer acompanho páginas de textos pequenos e fofinhos - com muito significado. Entretanto, quando vi a capa desse livro pela primeira vez no site da saraiva, me encantei. E apesar da sinopse não trazer nada muito novo, me encantei novamente, e decidi que queria muito ler, apesar de não conhecer até então o instagram de Isa G. Para completar, esse tipo de leitura veio a calhar muito bem no momento que estou passando, sem muito tempo para leituras!

Resenha: Contando Estrelas - Luciane Rangel

Editora Qualis
264 páginas
2017

Outras resenhas da autora: Tenshi, Destinos de Papel.

Elisa é uma garota que, apesar de não ser exatamente rica, tem tudo o que deseja na vida. É uma garota bonita, faz parte do melhor trio do colégio, é um tanto inteligente e caidinha pelo garoto mais gato da sala. Só lhe falta uma coisa... empatia. Então quando a professora de história lança um trabalho final diferente e ela é sorteada para fazer o dever com o novo e esquisitão aluno da sala, ela seria capaz de morrer. Afinal, é trabalho voluntário, e jamais passou pela cabeça da garota em fazer tal coisa. Porém, conforme as coisas andam, ela percebe que gosta disso, e que uma nova Elisa pode estar aparecendo.

Luciane Rangel é uma de minhas autoras nacionais favoritas, como você devem ver pelas resenhas anteriores. Demorei a ler Contando Estrelas por falta de tempo e muito estresse, mas é incrível sobre como suas histórias são leves, divertidas e, ao mesmo tempo, cheias de detalhes fantosiosos e lições de vida. Creio que esse último livro, lançamento da Editora Qualis, tenha sido o mais profundo das obras da autora até agora, chegando inclusive a passar Destinos de Papel (mas esse último possui cenas mais pesadas).